0
Notícias

Liberdade Corinthiana pede que conselheiros com ligações com a Odebrecht sejam impedidos de votar em assuntos sobre a Arena Corinthians

By 15 de fevereiro de 2019 One Comment

A Liberdade Corinthiana protocolou junto ao presidente do Conselho Deliberativo do Corinthians um requerimento que visa trazer maior transparência e minimizar riscos para o Clube.

Andrés Sanchez, de cabeça baixa e demonstrando preocupação, ao lado de engenheiro da Odebrecht

Foto: MeuTimão.com

Por esse requerimento, pedimos que todo e qualquer conselheiro do Corinthians que teve ou que ainda tem relações de prestação de serviços ou de interesses, sejam pessoais, comerciais ou profissionais, com a Odebrecht seja declarado impedido de intervir e de votar em assuntos que envolvam a Arena Corinthians.

 

Essa medida visa garantir total independência na tomada de decisões sobre a nossa Arena, bem como deixar claro o compromisso do Corinthians com a ética.

 

 

 

Leia abaixo a íntegra do texto do requerimento, redigido e enviado pelo Sr. Leandro Jorge Bittencourt Cano, Conselheiro trienal e membro da Liberdade Corinthiana:

 

Ilustre Senhor Presidente do Conselho Deliberativo do Sport Club Corinthians Paulista

 

Leandro Jorge Bittencourt Cano, conselheiro trienal, vem, mui respeitosamente à presença de Vossa Senhoria, solicitar que, antes de qualquer votação sobre o assunto Arena Corinthians, seja esclarecido aos presentes sobre a vedação ao conselheiro deliberar em qualquer proposição em que tiver interesse conflitante com o da nossa instituição, principalmente por ostentar ou ter ostentado vínculo comercial com a empresa Odebrecht, cumprindo cientificá-los do impedimento.

Ou seja, a nosso sentir, o conselheiro que prestou ou estiver prestando serviços à construtora está proibido de intervir em votações sobre a nossa Arena, pois a ética requer a observância de valores como honestidade e isenção, sendo considerados conflitantes os interesses quando o atendimento de um importa o sacrifício total ou parcial do outro. Dessa forma, como a relação comercial de um conselheiro com a construtora pode influir negativamente em seu ânimo, interferindo na lisura e imparcialidade de seu voto, prejudicando o clube, deve ele se abster, inclusive de ofício, de participar de eventuais deliberações que forem tomadas, e fazer constar da ata o seu impedimento, sob pena de responsabilidade.

 

Pede deferimento.

 

Aguardo resposta no e-mail (e-mail suprimido para preservar privacidade de dados) no prazo de 10 dias.

Renovo os protestos de elevada estima e consideração.

One Comment

Leave a Reply